Vamos falar de maternagem sincera?

“Mari, escreve no blog da Coloreh sobre um tema no universo da maternidade que te deixe feliz e a vontade?”

Um tema que me deixe feliz e à vontade… Eu sou Mari e essa frase ficou retumbando na minha cabeça por dias, mexeu comigo de uma forma que cheguei a pensar em não escrever nada. Até que eu entendi o motivo: não quero escrever porque não estou bem comigo mesma, principalmente no assunto maternidade. 

Sabia que depressão pós parto é algo super comum e existem mais de 2 milhões de casos por ano só no Brasil? 

Pois é! Eu tive, demorei muito pra entender, aceitar e tratar. Por sorte sempre tive muitas pessoas inspiradoras por perto, essas pessoas me alertaram e me fizeram perceber que tava na hora de falar sobre isso. 

Quando nasce um bebê nasce também um amor que não dá pra explicar. No dia que Chico nasceu, há 1 ano atrás, olhei pra ele e imediatamente pensei: “pronto, encontrei o meu dom. Entendi o que eu vim fazer nesse mundão de meu Deus, ser a mãe do Chico”. Com o tempo entendi que junto com esse amor nasceu também uma insegurança que eu não conhecia. Nasceu a incerteza, o medo, o caos, a fragilidade e a tristeza. Parecem sentimentos comuns, mas com uma intensidade muito maior do que eu jamais poderia imaginar. 

No dia que eu soube que estávamos grávidos, disse pra uma amiga que queria que meu filho tivesse muito orgulho de mim. Que a partir daquele momento eu faria de tudo pra ser uma pessoa incrível o suficiente pra ele se orgulhar. Ela me respondeu: que incrível é aquilo não existe. Opa! Que horror, miga!

Um ano depois e eu entendi aquele recado, a maternidade vem como um trator. Atropela a gente, transforma a gente, vira a gente de cabeça pra baixo. Insistir em criar uma maternagem que não está ao nosso alcance gera frustração em um momento em que estamos muito vulneráveis. 

Sou a mãe que eu posso ser. Depois desses dias pensando num tema que me deixasse feliz e à vontade em escrever, eu cheguei à conclusão que é a maternagem sincera. Aquela que está ao nosso alcance, é ela que me faz ser feliz todos os dias, mesmo vivendo entre muitos momentos de vulnerabilidade.

Ontem contei pro Chico que sou uma mulher muito insegura e indecisa. Disse também que nada disso me faz deixar de acordar todos os dias muito feliz por ele ter me escolhido pra ser sua mãe. No fim da conversa pedi que ele apontasse meu nariz se ele tivesse entendido meu recado. Ele riu enquanto mamava e colocou o dedinho indicador bem devagar na ponta do meu nariz.

Ou seja, aceita essa tristeza porque ela faz parte do processo e te oferece os momentos mais especiais da maternidade. 

A minha maternagem é sincera. Como é a sua? 

coloreh maternidade

Texto por Mariana Antonoff, mãe do Chico e uma das mulheres mais inspiradoras que a coloreh® conhece.

Foto por Patrícia Sales.

www.coloreh.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s